Mais de 92% dos reservatórios do Sertão de PE estão em colapso


A falta de chuva na zona rural piorou a situação dos reservatórios no Sertão de Pernambuco. De acordo com a Agência Pernambucana de Águas E Clima (Apac), dos 39 reservatórios localizados no Sertão do estado, 36 estão em colapso, como menos de 3% do volume útil. Já dos 185 municípios pernambucanos, 126 decretaram estado de emergência por causa da seca prolongada. Arcoverde é um deles.

Em Petrolina, tem locais, como o povoado Uruás, aonde a última vez que o açude local encheu foi em 1992, tendo 8 Km de distância e 10 metros de profundidade segundo testemunho de agricultora ao site G1PE.

O meteorologista Mário de Miranda explica que desde o ano de 2011 as chuvas diminuíram drasticamente no Sertão pernambucano. "Em média no Semiárido, o ciclo de chuvas dura 13 anos. Em média nós temos de quatro a cinco anos de chuvas acima da média, quatro a cinco anos de chuvas abaixo da média, dois, três dentro da média, um pouco abaixo ou um pouco acima em determinados anos. Esse ciclo ele não é  de 13 anos, ele é variável, mas ele existe e sempre vai se repetir.

Segundo Mário, a tendência é que a situação melhore nos próximos meses. A expectativa é que vão ocorrer chuvas no mês de março e de abril. A partir de maio ainda não tem uma previsão. Pela estatística, nós estamos na fase de transição, para mudar desse ciclo baixo, da fase com pouca chuva. A tendência nos próximos anos é a região atinja esse período de maior ocorrência de chuva.

Arcoverde – Em Arcoverde, em março de 2014 o reservatório do Riacho do Pau entrou em colapso, tendo sido suspensa a retirada de água para a população que ficou sendo abastecida apenas pela Adutora do Jatobá. Em junho de 2016, o açude chegou a acumular mais de 5% de sua capacidade o que garantiu uma melhoria no abastecimento até novembro, quando entrou novamente em colapso. E a situação pode ficar mais crítica, já que informações preliminares dão conta que a vazão dos poços profundos de Ibimirim vem diminuindo com o prolongamento da seca. 

Reportagem do blog a Folha das Cidades
Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário